O ANO DAS IMAGENS: a superficialidade da mídia!

 “A VIDA SEM ÁGUA

Esta foi a manchete estampada na capa da revista Época de dezembro de 2014, ilustrada pela fotomontagem de um camelo num deserto, junto a bebedouro com copos descartáveis, alimentado por garrafão de 20 litros, desses que vemos por aí.

O chamamento da manchete e sua ilustração me fizeram comprar a revista, para logo depois me sentir roubada, mais uma vez.

A matéria de sete páginas está longe de refletir o chamamento da capa, porque não aborda, com a clareza necessária, as responsabilidades com as causas da realidade hídrica enfrentada em todos os cantos do Brasil e do Planeta: este modelo econômico excludente, ignorante e hipócrita.

Basta fazer uma busca na internet, que encontrarem centenas de notícias relatando variadas situações de escassez, de impossibilidade de acesso, monopólios e de conflitos envolvendo a água.

Afinal, que imprensa é essa, que se vende por uma manchete, sem sustentação?

                          E a regulação do Setor etc etc etc??

A Carta de 8 de maio ao Juiz federal, contendo a análise do antes e o depois da instalação das Usinas Capim Branco por uma menina de 11 anos de idade. Foto: Terezinha Souto

Enfim, em 2002 ajuizamos uma ação popular contra o consórcio composto pelas empresas CEMIG, Camargo Correia, Comercial e Agricola Paineiras, Companhia Vale do Rio Doce e a Companhia Mineira de Metais.

As partes em confronto na Ponte do Pau Furado e a Policia, que sabia-se de que lado estava. Foto: Terezinha Souto.

Na ação popular discutimos os efeitos cumulativos dos empreendimentos Capim Branco I e II entre os Municípios de Indianópolis e Itumbiara (passando por Uberlândia e Araguari), a fraude  do estudo de impacto ambiental (EIA-RIMA), a necessidade de conservação do Vale do Rio Araguari e, essencialmente, a necessidade de manter o seu último trecho de águas correntes, composto de 110 quilômetros, da UHE Miranda e ao remanso em Itumbiara.

A transparência do lado da Polícia Militar de Minas Gerais, que sequer registro um BO quanto a agressão ambiental. Foto: Terezinha Souto.

A liminar que proibia a construção desses empreendimentos vigiu um ano e foi cassado depois da sucessão de atos questionáveis, à exemplo do fato da Juíza (desembargadora) relatora do recurso de agravo POUSAR para fotografia ao LADO DE SEUS DEFENSORESE e de fazer constar no seu relatório, referência a documento que sequer existia no autos do referido recurso.

Esses fatos, assim como a exonerado de um servidor estadual responsável pelo relatório CONTRÁRIO  aos empreendimentos,  a  tentativa da subseção da OAB em Uberlândia (por solicitação do Consórcio Capim Branco), de CASSAR MEU REGISTRO DE ADVOGADA e cercear  minha atuação na referida ação e  defenda dos interesses da atingida Romilda( uma mulher de  72 anos de idade, ameaçada por resistir à violência ambiental) FOI DEMAIS DA CONTA: uma violência sem mensuração.

O Fórum de Itabira. Terra de Carlos Drummond de Andrade, que traduziu na sua poesia, a mais profunda tristeza, por ver as montanhas de ferro da sua Cidade sendo transformadas em pó pela Vale do Rio Doce, comprometendo o respirar das pessoas pelo volume de pó lançado na atmosfera. A foto retrata a placa fixada no Fórum, contendo a informação de que a casa da Justiça foi reformada pela Vale do Rio Doce. Foto: Terezinha Souto.

A manutenção do último trecho de águas correntes do Rio Araguari tinha importância vital, dentre elas, a oxigenação da água, a manutenção de nascentes, córregos e olhos d´água.

Desde então, o DMAE já cogitava o projeto de tomada de água do Rio Araguari para abastecimento urbano. Mas, sem suas corredeiras, necessárias à oxigenação das águas, e sem que a nascente do Rio Araguari esteja integrada, oficialmente, ao Parque Nacional da CANASTRA, é evidente que  a qualidade da água do Rio Araguari é duvidosa.

O entorno do Parque Nacional da Serra da Canastra foi invadido por monoculturas de eucalipto e pinus. Não há proteção efetiva do Parque, portando não há segurança hídrica. Foto: Terezinha souto em 2005.

Acreditamos que o DMAE – Uberlândia  terá que articular muito para prevenir que a situação local não se assemelhe à de São Paulo e tantos outros lugares, onde a economia impôs o seu rítmo em detrimento do direito à vida.

Sem o desejo de ser livre, seremos sempre escravos do capital, da propaganda enganosa, da violação de direitos, do constrangimento, da opressão: cidadãos virtuais. Foto: A Garça em voo por Terezinha Souto.

“Não deixe nosso futuro secar”

À água, assim como o ar, o sol e a terra: ESSENCIAL!

Texto e fotos: Terezinha Souto. Janeiro 2015

Anúncios
Esse post foi publicado em HOMENAGEM e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Aqui Onde Eu Moro

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s